Antivírus falso era app pago mais baixado no Android

Por Redação | 07 de Abril de 2014 às 19h18

Em pouco mais de uma semana, o aplicativo Virus Shield chegou ao topo da lista de downloads do Android. Custando US$ 4 (R$ 9) e com mais de 10 mil downloads, em alguns dias ele passou a ocupar o primeiro lugar entre os novos aplicativos pagos e o terceiro lugar entre os aplicativos pagos mais baixados da Google Play.

Os números são ainda mais impressionantes quando observados ao lado de dados de popularidade do sistema. O app já contava com 4,7 (de 5) estrelas nas avaliações de usuários e prometia “total proteção a informações pessoais”, com um bloqueio que impediria que aplicativos prejudiciais fossem instalados no aparelho.

Mas qual é o problema nisso tudo? Acontece que, intrigada com o sucesso do app, que prometia fazer tudo isso com o toque de um botão e sem propagandas, a equipe do Android Police foi a fundo e descobriu que o sistema era completamente inútil.

vs

Virus Shield: tudo que o app fazia era mudar o ícone da aplicação. Imagem: Reprodução/Android Police

Em uma publicação, os entusiastas detalham o código do aplicativo, que apenas faz com que um ícone no próprio app ganhe um novo símbolo (mudando de “X” para “V”), o que indicaria a total proteção do equipamento. Na descrição do app, os desenvolvedores indicavam que o serviço incluía a varredura de aplicativos, configurações, arquivos e mídias "em tempo real", mas nada disso era verdadeiro.

Outra promessa do app era o baixo consumo de bateria – provavelmente, a única promessa que era cumprida aqui, já que o app não fazia absolutamente nada no aparelho.

O app já foi retirado da Google Play, porém, em pouco mais de uma semana, um app de segurança falso foi vendido para mais de 10 mil pessoas pelo preço nada baixo de R$ 9. Então, vale a lembrança: antes de baixar ou comprar um aplicativo, procure referências mais profundas dos desenvolvedores. Dessa vez, o app “apenas” não executava nada no aparelho, porém, não são poucos os casos de aplicativos que utilizam permissões do usuário para coletar dados indevidamente.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.