Xiaomi Mi 5 [Análise]

Por Adriano Ponte RSS

A Xiaomi se tornou uma grande incógnita no Brasil e há rumores de que a empresa deixará de atuar por aqui em breve. Lá fora, porém, ela causa algumas dores de cabeça a nomes mais tradicionais do setor com produtos de ponta vendidos a preços bem convidativos.

Atendendo a muitos pedidos, nós trouxemos um Mi 5, que, vale sempre lembrar, não é vendido oficialmente por aqui. Então, se você está pensando em importar, mas ainda está cheio de dúvidas, confira tudo o que nós achamos deste gadget. Vale começar dizendo que ele parece muito uma fusão entre um Galaxy e um iPhone, emulando aspectos físicos das duas linhas mais avançadas de smartphones da atualidade — tanto na parte frontal quanto na tela.

Especificações

A versão que testamos aqui em nossa redação é a mais básica do aparelho (Standard Edition), que vem com as seguintes configurações:

  • Chipset Qualcom Snapdragon 820;
  • CPU dual-core de 1,8 GHz Kryo e dual-core 1,36 GHz Kryo;
  • GPU Adreno 530;
  • 3 GB de memória RAM;
  • 32 GB de armazenamento interno;
  • Tela IPS LCD de 5,15 polegadas com resolução de 1.080 x 1.920 pixels (~428 ppi) e proteção Gorilla Glass 4;
  • Câmera traseira de 16 megapixels, f/2.0, estabilização óptica de quatro eixos com captura de vídeos de até 2160p a 30 fps;
  • Câmera frontal de 4 megapixels, f/2.0 com captura de vídeos de até 1080p a 30 fps;
  • Dual-sim (4G);
  • Conexões Wi-Fi a/b/g/n/ac (dual-band), Bluetooth 4.2, GPS/GLONASS/BEIDOU, NFC, infravermelho (no topo do aparelho), USB-C e leitor de impressão digital;
  • Dimensões: 144,6 x 69,2 x 7,3 milímetros;
  • Peso: 129 gramas;
  • Android 6.0 Marshmallow.

Xiaomi Mi 5Mi 5: o "intermediário de ponta" da Xiaomi. (Foto: Canaltech)

Vale lembrar que a versão Pro Edition do Mi 5 tem como diferença apenas o processamento (ela vem com uma CPU dual-core de 2,15 Kryo mais outra dual-core de 1,6 Ghz Kryo), a quantidade de memória RAM (4 GB) e também o armazenamento interno (que sobe para 128 GB).

Display e multimídia

Apesar de trazer uma tela LCD, o Mi 5 não pode ser subestimado. Esta tecnologia tem causado um pouco de desconfiança, ainda mais com as telas AMOLED por aí, e não trouxe nenhuma grande novidade desde que a LG apresentou o Quantum IPS. Porém, o aparelho da Xiaomi traz uma agradável surpresa neste aspecto.

Começando pelos ângulos de visão, que são excelentes e não causam nenhuma inversão de cor ou perda de contraste. Os níveis de brilho garantem imagens fortes em contraluz, mas vão além, apresentando níveis baixíssimos para ambientes escuros, o que é excelente para não “queimar” seus olhos à noite.

Mas calma que a rasgação de seda para o Mi 5 ainda não acabou, afinal não falamos das cores exibidas neste display: elas são ótimas. Para uma tela LCD, temos cores muito vivas, com um excelente nível de contraste e cores escuras de qualidade, tudo dentro do limite da tecnologia LCD.

Se sobra qualidade no display, falta na saída de som. Temos um único alto-falante presente na parte inferior do aparelho, facilmente abafável e com volume bem questionável. A qualidade dos sons reproduzidos aqui também decepciona, pois equaliza todos os sons para o mais agudo possível. Não notamos distorções em sons mistos, mas também pudera: nada do que ouvimos parecia fiel aos sons originais. Enfim, um quebra-galho tal qual acontece na maioria dos celulares medianos e de entrada.

Usabilidade e desempenho

O Mi 5 promete oferecer desempenho com a mesma eficiência dos tops de linha da Samsung, LG e Sony, só que por metade do preço. Como do preço a gente só fala no final da análise, vamos tratar da performance, e a resposta é positiva. O Snapdragon que equipa o modelo Standard do gadget da Xiaomi rodou tudo com a mesma velocidade dos tops que passaram por aqui, superando facilmente nosso teste de estresse.

Sobre o Android do Mi 5, dá para dizer que ele quase não é Android, com as modificações tão profundas feitas pela fabricante. Há pequenos atalhos e gestos específicos do MIUI espalhados pelo sistema, como o modo de uma mão ao passar o dedo pelas teclas capacitivas, por exemplo.

Xiaomi Mi 5A já tradicional MIUI da Xiaomi. (Foto: Canaltech)

Ainda não mudamos nossa opinião aqui no Canaltech, porque sempre preferimos o Android puro, sem nenhuma mudança. No caso, vamos apenas respeitar o fato de a Xiaomi realmente querer oferecer outra experiência de uso no lugar do Android do Google. Enfim, ficaremos neutros desta vez.

Indo para o botão home, é possível notar a óbvia função de ser clicado para retornar à tela inicial do aparelho. O que não é óbvio aqui é a sua capacidade de fazer exatamente isso sem sequer ser apertado. Para isso, basta encostar nele, como se ele fosse uma tecla sensível ao toque.

Esta função é maravilhosa e trágica ao mesmo tempo: maravilhosa, pois é cômodo não precisar apertar o botão em si; mas a comodidade se torna trágica pela facilidade de se esbarrar ali por acidente, algo bem comum para um botão protuberante. Mas vale destacar ainda que o mesmo botão home serve para ler suas impressões digitais e faz isso de forma rápida e precisa, sem nada a reclamar.

Câmeras

Durante nossos testes, notamos que o Mi 5 produz fotos com considerável riqueza de detalhes, processando cores com tons mais vívidos de coloração. Não há exageros nos registros, nem detalhes ou brancos estourados, com o foco do aparelho ficando no equilíbrio, algo semelhante ao que a Sony apresenta na linha Xperia, mas ainda um pouco melhor — vale lembrar que o Mi 5 usa um sensor da Sony em sua câmera.

Em relação ao pós-processamento das imagens, a Xiaomi também supera a sua fornecedora. Após a captura, não existem perdas de detalhes tão notáveis quanto ao que acontece nos aparelhos da rival japonesa, e o nível de ruídos consegue ser extremamente baixos.

Sobre a câmera frontal, vale lembrar que nem sempre poucos megapixels são um problema, mas este não é o caso. Como os megapixels representam o tamanho máximo da foto, mesmo que a Xiaomi tivesse a melhor câmera do mundo, as fotos ainda seriam relativamente pequenas, sem espaço para toda a qualidade do sensor.

Xiaomi Mi 5Câmera traseira do Mi 5 dá conta do recado. (Foto: Canaltech)

É algo assim que acontece no Mi 5. Ele não conta com a melhor câmera do planeta, mas a limitação dos pixels prejudica bastante o desempenho final, sendo um forte ponto negativo do aparelho. Com esse fato de lado, avaliamos a qualidade das fotos registradas pelo gadget e notamos níveis de detalhe suficientes para uma boa foto, com alto contraste e bom registro de cores.

Bateria e acessórios

O Mi 5 está equipado com uma bateria de 3.000 mAh, com suporte para Quick Charge 3.0, carregando 80% da bateria em apenas 15 minutos. Quando vimos dados como o chipset e o tamanho da bateria, imaginamos um resultado fantástico à altura do top de linha da Xiaomi, mas, na prática, a coisa foi outra.

Repetimos diversas vezes nosso teste de uma hora contínua de streaming via Wi-Fi com brilho no máximo e notamos uma descarga média de 20% por hora. Isso significa que talvez você possa chegar ao fim do dia com o Mi 5 ainda vivo, mas sem folga nem tranquilidade. Se você abusar no uso do gadget, será preciso recorrer ao carregador antes do final do dia. E por falar nele, o carregador do Mi 5 merece destaque especial, afinal é compatível com Quick Charge, tem 5v (2 A) e 9v (1 A) de saída.

Xiaomi Mi 5Desempenho energético do Mi 5 deixa um pouco a desejar. (Foto: Canaltech)

Vale a pena?

Infelizmente, o Mi 5 é vendido apenas no exterior, então não há como cravar um preço para compará-lo de forma mais direta com outros rivais disponíveis no mercado brasileiro. De qualquer forma, lá fora ele é vendido por aproximadamente US$ 400, mas o preço pode variar conforme você realiza buscas na web.

Em termos brasileiros, e avaliando também o preço dos tops de linha de outras fabricantes no exterior, tempos um aparelho de ponta com preço de intermediário. Novamente, convidamos que você faça uma pesquisa no Google e veja se não estamos malucos. Contudo, nada é perfeito. A ausência de suporte para cartão microSD, por exemplo, mostra que o Mi 5 é um ótimo aparelho, mas não o melhor Android desta temporada. 

Agora é a sua vez: você acha que o preço do Mi 5 é bom? O que ele não tem que fez falta para você? Deixa a sua opinião aqui embaixo, nos comentários.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome