Sites se unem contra lei antipirataria SOPA

Por Ultra Downloads em | 10.02.2012 às 11h10

Wikipedia fechada em protesto contra o SOPA

O dia 18 de janeiro de 2012 foi uma data que marcou a história da internet. Grandes sites como a Wikipedia, Google, Mozilla e até o humorístico portal Cheezburger cumpriram a promessa de protestarem contra o projeto de lei SOPA (Stop Online Piracy Act - Pare o Ato de Pirataria Online), que visa acabar com a liberdade da internet como a conhecemos.

Em trâmite no congresso norte-americano, a lei prevê que qualquer serviço online será responsabilizado pelo conteúdo que algum usuário postar em seu site, incluindo gigantes como Facebook, Google e Twitter, com risco de bloqueio caso o mesmo infrinja direitos autorais.

A ação começou a partir da associação de estúdios de cinema e gravadoras, que se dizem vítimas de troca de arquivos online através de redes P2P e Torrent, e conseguiu expressão através do congressista americano Lamar Smith, do Estado do Texas, que apresentou o projeto conhecido como SOPA.

Site do Google contra o SOPA

A lei prevê ainda bloqueio imediato de serviços de pagamento online, como a conhecida rede PayPal, além de suspensão das transações de cartão de crédito, remoção de menções em sites suspeitos de buscadores. Para reverter o quadro, somente com recurso na justiça, o que pode envolver muitos gastos e muito tempo de resolução.

Quem aderiu

Wikipedia foi provavelmente o site que teve a atitude mais radical. O conteúdo da página americana foi bloqueado, contendo uma mensagem que diz: "Imagine um mundo sem conhecimento de graça [...] durante 24 horas, vamos bloquear o Wikipedia para chamar atenção ao assunto".

Outros sites também mostraram sua indignação contra o SOPA, como o Google, que em sua página inicial cobriu o logo da empresa, com um para um texto de título "Por favor, não censure a internet!". No site da Fundação Mozilla, lê-se "Nós estamos construindo uma internet melhor, e nós estamos nos dedicando para mantê-la aberta e acessível a todos".

Sites como Twittpic, Cheezburger, Reddit e Minecraft também aderiram a campanha virtual, e colocaram protestos em suas páginas iniciais. Outras empresas, como a Apple e a Microsoft, se mostraram neutras contra o acontecimento e não manifestaram sua posição a respeito.

Repercussão

Segundo a agência de notícias Reuters, a Casa Branca pensa em alterar o projeto de lei, e afirmou que não poderia apoiar um projeto de lei "que reduz a liberdade de expressão, amplia os riscos de segurança na computação, e na inovação da internet global".

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

FIQUE ATUALIZADO
RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS POR E-MAIL