CES

Polícia Federal invade CES para apreender produtos chineses e fechar estande

Por Redação | em 08.01.2016 às 12h44

US Marshal

Nem só de grandes anúncios é feita a CES. Na edição deste ano, por exemplo, o que mais chamou a atenção dos participantes nesta quinta-feira (7) foi um barraco entre duas companhias fabricantes de hoverboards. De um lado, a Future Motion, startup do Vale do Silício que criou e patenteou o Onewheel, uma espécie de hoverboard elétrico que utiliza apenas uma roda; do outro, a chinesa Changzhou First International Trade, que se apropriou da ideia e achou bacana ir exibi-la em Las Vegas. 

O problema é que a chinesa já havia sido notificada extrajudicialmente por infringir a patente do hoverboard, mas deu uma de "João sem Braço" e jamais respondeu às tentativas de contato de Shawn Kolitch, advogado da Future Motion. A cara de pau da Changzhou First International Trade ultrapassou o limite do aceitável quando a empresa desembarcou nos EUA e montou seu estande próximo às instalações da startup criadora do Onewheel na CES. Após mais uma tentativa de chegar a um acordo com a chinesa, dessa vez na quarta-feira (6), o pessoal do Vale do Silício resolveu que era hora de chamar a polícia. 

Produto criado e patenteado pela startup Future Motion após financiamento de US$ 630 mil, Onewheel está em exposição na CES e sendo vendido por US$ 1.500

Produto criado e patenteado pela startup Future Motion após financiamento de US$ 630 mil, Onewheel está em exposição na CES e sendo vendido por US$ 1.500 (Imagem: Reprodução) 

O pedido foi prontamente atendido por um juiz, que despachou os US Marshals (o equivalente a Polícia Federal no Brasil) para apreender as mercadorias chinesas e fechar o estande da empresa na CES nesta quinta-feira (7). Toda a movimentação despertou a curiosidade dos presentes, que acompanharam tudo de perto. Em questão de minutos, todos os Trotters da chinesa, que estavam sendo vendidos por US$ 500 (US$ 1.000 a menos em relação ao original), foram encaixotados e apreendidos, bem como o material publicitário exibido lá. Agora, não só o estande está vazio, entregue às moscas, como os funcionários despachados da China para os EUA não têm mais o que fazer. 

O Trotter, da empresa chinesa, é uma cópia descarada do Onewheel e também estava em exposição na feira. O problema é que as patentes foram usadas indevidamente e o preço era uma pechincha: US$ 500

O Trotter, da empresa chinesa, é uma cópia descarada do Onewheel e também estava em exposição na feira. O problema é que as patentes foram usadas indevidamente e o preço era uma pechincha: US$ 500 (Imagem: Reprodução) 

Para Kyle Doerksen, criador do Onewheel, tudo isso poderia ter sido evitado se o pessoal da Changzhou estivesse disposto a conversar. Ele explica que, mais do que a patente, a principal preocupação da startup é o surgimento de alternativas de baixa qualidade que podem acabar manchando todo o trabalho feito por ele e outras empresas sérias. "Se os consumidores começarem a ver a feira cheia de produtos baratos e de baixa qualidade, isso manchará a imagem de todos os outros", explica. Também não é para menos: nos últimos meses, tem crescido bastante o número de hoverboards pivôs de incêndios em todo o mundo – tudo por causa da baixa qualidade. 

Fonte: Bloomberg Business via Engadget 

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar