Tecnologia na Fórmula-e, a "fórmula" do futuro

Por Igor Lopes RSS | em 04.02.2016 às 15h56

Desde que o esporte a motor foi inventado, um de seus grandes objetivos é servir como espaço de testes para que novas soluções e tecnologias sejam experimentadas em situações extremas para, então, serem implementadas nos carros de rua. Foi assim com os freios a disco, o controle de tração, os volantes multifuncionais, combustíveis aprimorados e até a troca de marcha com borboletas. Todas foram experimentadas, antes, nos carros de corrida.

Hoje, a Fórmula 1 é a grande categoria que atrai os olhos do mundo inteiro, mas também por isso, é cheia de regras e requisitos que não podem mudar tão rapidamente. Ao mesmo tempo, uma outra fórmula, a Formula-e, tem ganhado bastante espaço por ter mais a ver com o atual momento em que vivemos. "E" significa elétrica, ou seja, ao invés de combustível baseado em petróleo, os carros são impulsionados por baterias elétricas.

Toda a categoria produz zero emissão de carbono e as equipes não têm medo de mudar regras para usar a tecnologia para tudo. Existem até mesmo interações com o público no estilo rede social, para que os fãs votem nos pilotos favoritos e assim, eles ganhem benefícios nas corridas. O brasileiro Lucas di Grassi é um dos nomes por trás da Formula-e, desde sua concepção. 

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar