A história e o futuro da computação na nuvem

Por Joyce Macedo RSS | em 31.03.2016 às 19h17

Animação: Anima.me (site / Facebook)

Você pode até não saber exatamente como ela funciona, ou sequer ter ideia de que a utiliza, mas com certeza a computação na nuvem faz parte da sua vida. Não acredita? Nós vamos te mostrar que ela está mais presente no seu cotidiano do que você imagina.

Basicamente, a computação na nuvem é uma tecnologia que utiliza a internet e servidores remotos para manter dados e aplicativos armazenados. A grande vantagem é ter acesso a qualquer tipo de dados, software ou plataforma utilizando apenas a web.

Atualmente, a nuvem traz uma série de possibilidades e facilidades para pessoas e empresas. É possível realizar o backup de fotos com apenas um clique, utilizar aplicativos de todos os tipos, salvar documentos importantes em locais mais seguros, e assim por diante. 

Mas nem sempre a vida foi fácil assim. Antes da computação na nuvem, fazer um backup, por exemplo, era algo bem mais trabalhoso. Você precisava salvar seus arquivos em um HD, pen drive, CD, ou outro tipo de hardware que tivesse disponível (e com espaço suficiente) para mantê-los em segurança caso algo acontecesse com seu computador. 

A nuvem facilitou não apenas a gravação de informações, mas também democratizou seu acesso, uma vez que você pode acessá-las de qualquer lugar. Antes você dependia de um CD ou DVD até mesmo para assistir a um filme no seu computador; agora, basta acessar serviços online, como a Netflix, para ter um catálogo imenso de títulos ao seu dispor.

Além disso, você também deixa a responsabilidade de gerenciamento de software e hardware nas mãos de empresas especializadas, que armazenam e protegem suas informações. Isso quer dizer que você não precisa instalar nenhum aplicativo no seu computador para acessar um serviço de e-mail, por exemplo.

E se você pensa que toda essa revolução aconteceu em um passado muito distante, está enganado. Para entender melhor como a computação na nuvem evoluiu rapidamente e revolucionou o mercado, vamos listar alguns fatos marcantes na história da cloud.

O conceito

Em 1960, John Mccarthy, pioneiro na tecnologia de Inteligência Artificial e criador da linguagem de programação LISP, citou um conceito interessante e que até hoje é atrelado à nuvem: a computação por tempo compartilhado. Essa computação poderia permitir que um computador fosse utilizado simultaneamente por dois ou mais usuários a fim de realizar tarefas, aproveitando o período de tempo disponível entre cada processo.

John MccarthyO visionário John McCarthy (Imagem: Reprodução / Internet)

O termo

Em 1997, o termo Cloud Computing (computação em nuvem) foi utilizado pela primeira vez, durante uma palestra acadêmica do professor de sistemas da informação Ramnath Chellappa.

Ramnath ChellappaRamnath Chellappa foi o primeiro a usar o termo "cloud computing" (Imagem: Reprodução / Internet)

O início 

Em 1999, a Salesforce.com tornou-se a primeira empresa a disponibilizar aplicações na internet. Tratava-se do primeiro serviço empresarial a oferecer aplicativos de negócios em um site normal, que acabou sendo chamado pelo mercado de computação na nuvem.

salesforce

O pontapé inicial da Amazon

No dia 14 de março de 2006, a Amazon lançou a Amazon Web Services (AWS), sua coleção de serviços de computação em nuvem. A companhia tem parte importante na história da cloud computing, pois, em muitos aspectos, o lançamento de sua plataforma marcou o início da era da nuvem.

Na ocasião, a companhia anunciou seu primeiro produto: o Simple Storage Service (Amazon S3), um serviço de armazenamento simples que oferecia aos desenvolvedores de software uma infraestrutura de armazenamento de dados altamente escalonável , confiável e de baixa latência a custos considerados baixos. 

É preciso lembrar que há 10 anos o mercado era bem diferente. Apesar de algumas startups terem abraçado a nuvem, muitos céticos não acreditavam que grandes empresas e órgãos governamentais usariam uma plataforma deste tipo para aplicações mais críticas. Hoje sabemos que eles estavam errados.

Amazon Web Services

Revolução no mercado

Com o passar do tempo, diversas empresas começaram a criar suas próprias soluções de computação em nuvem, incluindo gigantes como Microsoft, Google e IBM, fazendo com que o termo ganhasse o peso que conhecemos hoje.

Tomando ainda a pioneira Amazon como exemplo, a empresa conta atualmente com mais de 1 milhão de clientes ativos em 190 países e diversos cases de sucesso no currículo. Uma década depois de seu lançamento, o AWS continua tendo uma vantagem significativa sobre a concorrência no quesito infraestrutura como serviço (IaaS), e também ao mover-se para outras áreas, como jogos, graças ao Amazon Lumberyard, um mecanismo de jogos 3D gratuito, e realidade virtual.

Em entrevista ao Canaltech, Marcos Grilanda, líder de vendas para o Cone Sul da América Latina e Brasil da Amazon Web Services, citou como exemplo de seus parceiros de negócios a VTEX, uma plataforma de e-commerce que trabalha com o modelo SaaS (software as a service).

"Ajudamos nossos parceiros de negócios como a VTEX, que atende mais de 1.300 empresas, a fazer seu e-commerce 100% hospedado em nuvem, desde grandes multinacionais até empresários que vendem produtos familiares. Essa é uma transformação da indústria que não tem precedentes", explica o executivo.

Outro exemplo citado é a Easy Taxi, uma empresa que nasceu no Brasil e seu tornou a maior do mundo no segmento de aplicativos mobile que permitem a conexão entre passageiros e taxistas. "A Easy Taxi mudou a maneira de usarmos táxis e usou a nuvem para isso", disse Grilanda.

computação na nuvem

Você também usa a nuvem

Apesar do sistema por trás do funcionamento da nuvem ser altamente tecnológico e soar como algo usado apenas por grandes empresas, ela está mais presente no seu dia a dia do que você imagina.

Você interage com a nuvem quando usa um aplicativo para solicitar um táxi, ou até mesmo o Uber; quando assiste a um filme na Netflix; quando usa acessa seu Gmail para verificar suas mensagens; quando procura um match no Tinder; e assim por diante. A lista de dependentes da cloud computing é grande, e incluiu outros nomes famosos como Facebook, Dropbox, Google Fotos, Airbnb, Spotify, entre muitos outros. 

"As pessoas ainda não entenderam o quanto isso impacta o dia a dia delas. Elas podem tocar a nuvem sem perceber diversas vezes ao longo do seu dia", explica Grilanda.

Cloud computing

Futuro da cloud computing

Muitas empresas já estão fechando seus data centers e migrando sua operação para a nuvem. A própria Netflix já roda 100% na nuvem desde janeiro deste ano. A tendência é que, com o exponencial crescimento de dados, a demanda por computação em nuvem cresça proporcionalmente.

A expectativa é que, em 2016, cerca de 48 milhões de aplicativos estarão disponíveis na nuvem. Além disso, a cloud computing em larga escala vai ajudar a tornar a Internet das coisas uma realidade. Isso significa que veremos muito mais aparelhos conectados se integrando e automatizando soluções. Tecnologias potencialmente inovadoras, como a realidade virtual, também devem se beneficiar da expansão da cloud.

Fato é que empresas de todos os tamanhos e mercados estão aderindo à nuvem, e essa tendência não demonstra sinais de enfraquecimento. "Não existe mais a dúvida 'mudo ou não mudo para a nuvem', o que existe agora é 'quando e quão rápido' mudarei para a nuvem", comenta Grilanda.

Internet das Coisas

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar