3

Série Astronautas parte 1: como é a vida no espaço?

Por Bruna Rasmussen RSS | 15.07.2013 às 06h20 - atualizado em 21.07.2014 às 14h18

Espaço

Acordar, tomar um banho, um café, sair para o trabalho, almoçar, ir ao shopping, jantar com amigos, ir ao banheiro, jogar futebol. Estas são algumas atividades comuns no dia a dia de qualquer pessoa, mas como isso fica quando se está a quilômetros de distância da atmosfera terrestre? Como uma espécie de cruzeiro intergaláctico, a vida na estação espacial possui diversas limitações e nem sempre é fácil adaptar a rotina à gravidade zero.

Você já imaginou como um astronauta faz xixi? E o banho, como a água do chuveiro cai em gravidade zero? Descubra como é a vida lá em cima e como a tecnologia adaptou algumas atividades rotineiras para o ambiente de microgravidade. A vida de astronauta é mais curiosa do que você poderia imaginar! A partir de hoje, você lê aqui no Canaltech uma série de 5 matérias sobre a realidade no espaço. 

Hora do rango!

Qual é a sua comida favorita? Macarronada com almôndegas? Strogonoff? Arroz e feijão? Uma picanha mal passada? Seja ela qual for, é provável que já exista uma versão espacial dela – ou de algo que seja no mínimo parecido.

No início das viagens espaciais, os alimentos eram todos desidratados e colocados em embalagens especiais, na forma de pó ou pasta. Para se alimentar, o astronauta deveria adicionar água ao pacote e consumir o alimento com a ajuda de um canudinho especial – afinal, ninguém queria um café da manhã flutuando na nave, certo?

Comida no espaço

Fonte: Reprodução/NASA

Hoje as coisas mudaram um pouco e, apesar de ainda ser servida em embalagens especiais e bem lacradas, a comida espacial se parece um pouco mais com aquela que consumimos aqui na Terra – até frutas frescas podem ser degustadas nos primeiros dias da missão.

Cardápio variado

Cerca de cinco meses antes de partirem em missão, os astronautas selecionam alguns dos alimentos de que gostam. Todos os itens são processados e embalados para que durem a viagem inteira e para que possam ser consumidos com segurança. Há ainda o acompanhamento nutricional e o cardápio sugerido, que garante ao organismo do astronauta todos os nutrientes necessários para permanecer saudável ao longo dos dias que ficar no espaço.

Devido à microgravidade, dá-se preferência a alimentos mais grudentos, como mingau de aveia, ovos mexidos e pudins. Itens como pães são deixados de lado por formarem migalhas, que provavelmente ficarão flutuando pela cabine. O sal, por exemplo, precisa ser dissolvido em água e a pimenta em óleo antes de serem usados na comida.

Tortilla no espaço

Tortilla no espaço com a astronauta Sandra Magnus. Fonte: Reprodução/Amusing Planet

As bebidas, em sua maioria, são reidratáveis. Isso significa que o astronauta ainda precisa adicionar água ao pó para consumi-las. Itens como carnes, por exemplo, recebem um certo nível de radiação e são congelados para não se deteriorarem e podem ser preparados em um forno especial na cozinha da nave.

O ambiente de microgravidade afeta a forma como o astronauta percebe o gosto e o cheiro. Assim, para estimular as papilas gustativas, é comum que os alimentos consumidos no espaço sejam bastante apimentados e carregados de tempero.

Durante as refeições, os alimentos ficam presos a uma bandeja que, por sua vez, é amarrada ao corpo do astronauta ou à parede, de forma que as embalagens não flutuem durante o jantar. Mas nem tudo é na base do canudinho: os astronautas usam garfos e facas normalmente, bem como uma tesoura para abrir os pacotes. 

Comida no espaço

Bandeja usada na década de 70 é similar ao modelo atual. Fonte: Reprodução/Space.com

Tomando banho

Se você acha que pegar ônibus no fim da tarde nem sempre é uma experiência muito agradável em termos olfativos, no ônibus espacial não é muito diferente. Imagine cinco ou sete astronautas dividindo o pequeno espaço da nave, suando mais que o normal (devido à microgravidade) e sem poder trocar de roupa todos os dias (não há máquina de lavar)? 

A higiene no espaço é complicada, não só devido à mudança de gravidade mas também ao abastecimento de água. Portanto, tomar um bom banho quente acaba sendo um privilégio da Terra. Lá em cima, há duas opções: ou são usadas toalhas descartáveis de higiene, uma espécie de lenço umedecido, ou o astronauta entra dentro de um cilindro de plástico e uma mangueira especial espirra água em seu corpo. Lava-se com shampoo especial e se seca usando uma espécie de aspirador.

O astronauta troca de camiseta e meias a cada dois dias e de calça uma vez por semana. Sem varal ou tanque, essas roupas são descartáveis e, assim que forem trocadas, são imediatamente jogadas fora. Cada integrante da tripulação leva a bordo um kit higiene com direito a escova de dentes, fio dental, aparelho de barbear e pente. No caso de escovar os dentes, é possível engolir a pasta e beber água para remover o resíduo ou cuspir em uma toalha de higiene.

Apesar das tentativas de se manter limpinho lá em cima, não são poucos os relatos de que o ônibus espacial no fim da tarde muito se parece com a versão Terráquea...

Banheiro: número um e número dois

“De onde veio aquilo? Me dê um guardanapo, rápido. Tem um cocô flutuando pelo ar.” Esta frase foi dita por um dos astronautas que estavam a bordo da Apollo 10, em 1969. Pois é, ao que parece, nem nessas horas a microgravidade perdoa. Mas como os astronautas vão ao banheiro sem que esse tipo de acidente aconteça?

Semelhante às privadas terrestres, os vasos sanitários espaciais são feitos para se sentar. Ao contrário do reservatório com água, no entanto, existe um sistema de vácuo e sacolas plásticas que recebem as fezes e a urina e que são automaticamente descartadas em um tanque.

Vaso sanitário no espaço

Fonte: Reprodução/NASA

Na hora de urinar, uma espécie de funil é colocado na ponta de um “aspirador” - há formatos diferenciados para homens e mulheres – e é possível se aliviar normalmente, já que o líquido é sugado e descartado no espaço. Entretanto, a arte de fazer o “numero dois” é um pouco mais complicada lá em cima. Segundo um vídeo da própria NASA, o astronauta precisa estar alinhado ao assento para que tudo funcione corretamente. 

O buraco do vaso sanitário possui apenas 10 cm de diâmetro, o que torna um pouco mais complicada a tarefa de se acertar o alvo. Para isso, há na frente da privada um monitor de vídeo conectado a uma câmera que, sim, está naquele buraco. Dessa forma o astronauta pode verificar seu posicionamento e evitar dejetos flutuantes. Ainda de acordo com a NASA, todos os resíduos sólidos são armazenados em um tanque e descartados em Terra. 

Dormir ou flutuar?

Depois de muito trabalho e exercícios físicos para manter os músculos, os astronautas também ficam cansados. Mas se você acha que eles precisam de travesseiros e cobertores para dormir, está muito enganado: a microgravidade faz o trabalho de segurar o corpo e a cabeça do astronauta, sendo necessário apenas prendê-lo a uma parede. 

Dormir no espaço

Fonte: Reprodução/Canadian Space Agency

Nas naves e na Estação Espacial existem pequenas cabines com sacos de dormir presos à parede. Assim, o astronauta só precisa entrar dentro dele e relaxar. Em média, gasta-se de oito a dez horas dormindo, tempo suficiente para manter o astronauta saudável e alerta.

E então, depois de descobrir alguns segredos da vida de astronauta, você ainda iria a uma viagem espacial? 

Leia também: Quais os impactos da microgravidade no corpo humano?

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

RECEBA NOSSAS
NOTÍCIAS POR E-MAIL
ASSINE NOSSA NEWSLETTER DIÁRIA