10 Filmes de 2015 para assistir nas férias

Por Gustavo Rodrigues RSS

Divertida Mente

Festas de fim de ano e férias. Todo ano a programação da TV é a mesma de sempre e isso pode deixar muita gente entediada. Para fugir do marasmo, uma boa pedida é ver ou rever séries e filmes que você gostou ou que estavam na sua lista faz muito tempo. Para lhe ajudar com isso, separamos 10 longas lançados em 2015 que valem a pena ser conhecidos ou vistos novamente.

Kingsman: Serviço Secreto

Matthew Vaughn e Mark Millar são os criadores da história em quadrinhos que deu origem a um dos filmes mais divertidos e alucinantes do ano. Na trama, o jovem problemático de Londres Gary "Eggsy" Unwin (Taron Egerton) tem a oportunidade de se juntar ao Serviço Secreto. O protagonista precisa colocar seus conhecimentos das ruas em prática enquanto tem que aprender a se comportar educadamente para ser um dos agentes.

Vaughn é o diretor de X-Men: Primeira Classe, o melhor filme dos mutantes até hoje, e Kick-Ass, também criado por Millar. Ele consegue adaptar os quadrinhos para as telonas mantendo a história fiel e dando a diversão que o cinema precisa. A ação de Kingsman é de tirar o fôlego, principalmente pela movimentação da câmera que acompanha os milhares de golpes dados pelos atores, como na cena da igreja. Outro ponto positivo é o elenco com grandes nomes, como Mark Strong, Mark Hammil, Michael Caine, Samuel L. Jackson e Colin Firth, de uma maneira totalmente incomum para os personagens famosos do ator britânico.

Homem-Formiga

Mesmo que Vingadores: Era de Ultron tenha sido o grande lançamento do Marvel no ano, Homem-Formiga é quem realmente surpreendeu os fãs da editora. Na trama, Scott Lang (Paul Rudd) é um ex-criminoso que adquire o uniforme heroico de Homem-Formiga criado pelo Dr. Hank Pym (Michael Douglas) para roubar uma tecnologia poderosa.

O filme passou por diversos problemas durante sua produção. O diretor Edgar Wright desistiu do projeto e Peyton Reed assumiu o posto. Essas complicações geraram desconfiança no resultado final, mas o que se viu na tela foi um dos melhores filmes pipoca da Marvel. Divertido, com efeitos especiais bonitos e roteiro dinâmico, o herói mais incomum do estúdio surgiu como uma das apresentações mais agradáveis do Homem-Formiga. Vale salientar que todas as cenas com o personagem carismático de Michael Penã roubam a cena.

Beasts of No Nation

O primeiro filme da Netflix é um grande soco no estômago por retratar a realidade desoladora de crianças de países em guerra na África. Não especificando a localização dos eventos do filme, a trama mostra a vida do jovem Agu (Abraham Attah), que se torna um dos soldados da milícia controlada pelo imponente e eloquente comandante interpretado por Idris Elba. 

Cary Fukunaga escreveu e dirigiu o longa, conseguindo mesclar uma fotografia envolvente de cada local, bonito ou desolador, que as cenas acontecem junto aos momentos impactantes muito bem interpretados por Elba e Attah. Não é um filme fácil de lidar pela transformação que as crianças passam a cada novo ato de destruição da inocência, mas que vale a pena ser visto pela condução narrativa de Fukunaga sobre fatos corriqueiros de territórios de guerra.

Ex Machina

Ex Machina é o típico filme indie que consegue fãs por sua trama envolvente e fora do comum. Caleb (Dohmnall Gleeson) é um programador que recebe a oportunidade de participar de uma experiência, proposta pelo gênio milionário Nathan (Oscar Isaac), que consiste em avaliar se a robô envolvente Ava (Alicia Vikander) é uma inteligência artificial completa.

Com roteiro e direção de Alex Garland, Ex Machina chama atenção a cada detalhe da trama que é revelado aos poucos, principalmente pelo grande desfecho. Ele é o típico filme que, após o término, você começa a repensar o que cada diálogo dos personagens realmente queria dizer e qual era a intenção de cada um ali. Além disso, o longa tem uma das melhores cenas de dança do ano com Oscar Isaac e Sonoya Mizuno.

Infelizmente, no Brasil o filme só foi lançado em DVD.

Corrente do Mal

Corrente do Mal é o terror psicológico raro no gênero hoje em dia, já que cenas gratuitas de susto geram muito mais público, como na franquia Atividade Paranormal. Na trama, acompanhamos Jay (Maika Monroe), uma jovem de 19 anos que é perseguida por uma entidade que persegue pessoas que tenham recebido tal maldição após transarem. Para se livrar dela, você precisa passar ao próximo da mesma forma que recebeu e torcer para que a entidade não mate o novo amaldiçoado, caso contrário, ela voltará sua atenção ao antigo alvo.

O diferencial é em toda a tensão que o longa cria. A entidade pode se transformar em qualquer pessoa, não é vista por pessoas que não estejam na maldição, anda vagarosamente e sempre sabe onde o alvo está. Todas estas características fazem com que o telespectador crie uma angústia por não ter certeza se um simples transeunte ao fundo do cenário é a entidade se aproximando. Além disso, as cenas são com planos abertos, então não há a pressão de que o susto inesperado ocorra, mas de que você vai se sentir incomodado com a possível presença da entidade.

Creed: Nascido para Lutar

Filmes esportivos de superação costumam ser sucesso de público e crítica pelo que é esperado deles. Quando a nova história está presente no universo de em um dos maiores sucessos do gênero, isso fica ainda mais fácil. Creed conta a história do pugilista Adonis Johnson (Michael B. Jordan), o filho de Apollo Creed, grande rival de Rocky Balboa. 

Um dos grandes diferenciais é a volta de Sylvester Stallone ao papel de Rocky Balboa para treinar o protagonista. Michael B. Jordan é um dos ótimos atores da nova geração de Hollywood e faz jus ao papel principal do drama. Para quem é fã de Rocky, ainda há um fan service com a emblemática cena das escadarias.

O longa estreia em 14 de janeiro no Brasil.

Perdido em Marte

A adaptação do livro de Andy Weir, que conta a história do astronauta Mark Watney (Matt Damon) durante o período que ele fica perdido em uma colônia em Marte esperando por resgate, é um dos grandes sucessos do ano passado. Com um elenco repleto de grandes nomes, como Kate Mara, Jessica Chastain, Sabastian Stan, Sean Bean e Donald Glover, Ridley Scott dirige um dos seus filmes mais prazerosos.

A produção do longa teve a ajuda da NASA para poder criar situações coerentes ao que existiria no planeta vermelho. Diálogos com referências da cultura pop, fotografia e 3D eficientes fazem com que a trama defina seu tom e não conte uma simples história de alguém lidando com a dificuldade de estar preso e sozinho em um local inóspito. 

Divertida Mente

Há muito tempo a Pixar não fazia uma animação que fosse inovadora, encantadora e inteligente. Felizmente, Divertida Mente consegue acertar onde as sequências desnecessárias das produções falhavam miseravelmente. O roteirista e diretor Pete Docter, também responsável por Monstros S.A. e Up: Altas Aventuras, consegue dar vida aos sentimentos de uma pequena garotinha. Colorido, carismático com os personagens bem construídos e usando uma linguagem mais adulta, Divertida Mente lembra a subjetividade que existia em WALL-E.

Na trama, acompanhamos Riley, garota que se muda para São Francisco, assim fazendo com que os sentimentos dela fiquem uma confusão. Tristeza, Raiva, Nojo, Alegria e Medo estão no quartel dessas emoções e precisam ajudá-la. A partir daí, vemos como que elas agem dentro da própria Riley para tentar voltar a tornar a garota feliz. 

Mad Max: Estrada da Fúria

Poucos filmes foram tão aclamados por público e crítica em 2015 como Mad Max: Estrada da Fúria. O longa, que traz George Miller de volta ao comando das histórias do personagem dos anos 80, é eletrizante do começo ao fim, tem efeitos visuais lindos, principalmente por utilizar pouco CGI, roteiro simples e uma trilha sonora precisa, o que faz jus a todos os elogios que ele tem recebido pelo mundo afora.

A cena de abertura é de tirar o folego por ser uma perseguição incrível e não ter uma simples pausa em toda a loucura que é aquele universo. Outro ponto alto do longa são os atores. Tom Hardy honra o Max que outrora foi de Mel Gibson, Charlize Theron é a forte presença feminina no papel de Furiosa e Nicholas Hoult faz brilhantemente o insano Nux. Isso sem contar o guitarrista com seu lança-chamas. Simplesmente, testemunhem!

Star Wars: O Despertar da Força

Mais do que uma boa continuação para a trilogia clássica, Star Wars: O Despertar da Força é um ótimo ponto de partida para quem está começando a criar interesse pelo universo criado por George Lucas. Dirigido por J.J. Abrams, o sétimo capítulo da franquia consegue criar vínculo afetivo com os fãs antigos da série e introduzir personagens novos tão cativantes quanto os clássicos. 

Batendo todos os recordes de bilheteria em sua primeira semana em cartaz, recebendo elogios da crítica especializada e até sendo considerado um dos melhores filmes da franquia, Star Wars: O Despertar da Força ainda vai ser assunto por muito tempo, principalmente pelos mistérios que não são resolvidos e pelas teorias que os fãs já começaram a publicar pela Internet. Assisti-lo apenas uma vez parece pouco para tudo que se tem para absorver tão rapidamente.

Qual mais você indicaria para fazer parte da lista? Gostou desses dez? Dê sua opinião nos comentários!

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar